0

Esta idosa perdida dizia, sem parar, que sua filha tinha dado à luz. Mas ninguém entendia o que isto significava para ela.

Pak é um policial sul-coreano que trabalha numa delegacia na cidade de Pusan. Novato, ele começou sua carreira no inicio de 2015, cheio de entusiasmo e determinação. Em um dia de setembro, Pak tinha acabado de almoçar e se sentia muito cansado depois de encher a barriga. Mas quando ele estava a ponto de cochilar na cadeira, seu chefe recebe uma ligação que alerta sobre uma idosa andando sem parar na mesma vizinhança por horas a fio.

Pak deixa então o cansaço de lado e parte para a missão. Ao entrar na viatura, ele imagina que a senhora esteja apenas perdida, o que acontece com frequência e pode ser resolvido num piscar de olhos. Quando chega ao local, ele encontra a mulher andarilha e repara que ela carrega duas sacolas. Mas a idosa não é capaz de responder perguntas simples, e não sabe qual é o seu nome e nem o seu endereço.

Parecendo confusa, ela repete sem cessar que sua filha tinha dado à luz em um hospital, porém ela não se lembra de como sua filha se chama. A cada vez que os policiais perguntam algo que ela não consegue responder, a senhora aperta as sacolas com força contra o seu peito. Sem demora, Pak logo identifica o problema: ela sofre de Alzheimer. A situação era bem mais complicada do que ele havia imaginado.

Incapaz de obter informações, Pak começa a procurar por pistas que revelem a identidade da mulher. O policial percebe que ela está usando chinelos e roupas de ficar em casa e deduz que a idosa mora nas redondezas. Ele tira uma foto dela com seu celular e sai pelas ruas perguntando aos passantes se alguém a conhece.

No meio tempo, Pak conduz a senhora para a delegacia e tenta ajudá-la com seus pacotes que parecem muito pesados. Porém, ao tentar pegar um deles, a idosa logo grita “não!” eos agarra com força. Ao vê-la tão ansiosa, o policial desiste e deixa que a mulher continue a segurá-los. Ele não sabe o que se esconde dentro das sacolas, mas rapidamente percebe que para a senhora, aquele conteúdo é muito especial.

Muitas horas depois, o policial finalmente consegue identificara mulher perdida. Com bastante esforço, ele descobriu seu nome, seu endereço e até mesmo o local onde a sua filha deu à luz. Usando a viatura, Pak conduz a senhora até o hospital para ver sua filha e seu neto. Quando a idosa percebe onde está, ela respira profundamente e parece imensamente aliviada.

Sem demora, ela começa a abrir as suas preciosas sacolas. Quando Pak vê o conteúdo, ele fica com lágrimas nos olhos. A mulher tinha preparado sopa de algas, legumes cozidos e arroz. Na Coréia do Sul, mães sempre alimentam suas filhas recém-paridas com sopa de algas. Como esse vegetal é uma importante fonte de cálcio, as famílias acreditam que essa refeição ajuda na rápida recuperação.

 

Este foi um momento de muita emoção. A senhora não se lembrava nem do seu próprio nome, mas não esqueceu que tinha que ir ao hospital alimentar sua filha com a sopa tradicional. “Coma mais um pouquinho, minha querida,” repetia a mulher com uma voz doce. Enquanto ingeria a refeição, a filha derramava lágrimas, permitindo que sua mãe doente cuidasse dela.

Esta história mostra o quão grande o amor de mãe pode ser. A conexão com os filhos é tão forte que supera até mesmo uma doença degenerativa que destrói o cérebro. Se você também se emocionou, compartilhe este artigo com seus amigos e familiares!

Fonte: Não Acredito

Compartilhe a matéria:

É Notícia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *