0

Quando esta menina fez nove anos, sua mãe decidiu amputar suas pernas. O que aconteceu 15 anos depois, ninguém teria imaginado que seria possível.

Oksana Bondarchuk nasceu em junho de 1989 na cidade ucraniana de Khmelnytskyi. Mas quando ela chegou ao mundo, os médicos ficaram chocados. Eles olharam para a recém-nascida e viram que uma grande parte de suas pernas estava faltando. Suas mãos eram deformadas, ela não tinha dedões ou unhas e sofria de danos nos rins.

A causa mais provável para esses defeitos de nascença era o desastre nuclear de três anos antes na cidade próxima, Chernobyl. Os pais de Oksana ficaram horrorizados ao saberem que a exposição à radiação impediria seu bebê de se desenvolver como uma criança saudável. Eles se sentiam despreparados para tomar conta dela e tinham medo dos desafios envolvidos. Pouco depois do seu nascimento, a menininha foi deixada em um orfanato. Ela nunca mais viu seus pais.

Nos sete anos que passou no orfanato, Oksana preferiria ser esquecida. Ao invés disso, ela sofria bullying, passava fome, apanhava e era abusada sexualmente. Parecia que ela viveria uma vida de puro sofrimento. A única coisa que lhe dava forças era a pequena esperança de que conseguiria escapar do orfanato um dia e seria adotada por um bom lar.

Até mesmo essa esperança era só dela. Ninguém mais na instituição esperava que alguém a adotaria. Ela estava registrada no banco de dados de adoção nacional, mas eles não achavam que isso ajudaria. Então, para a enorme surpresa de todos, chegou uma ligação do outro lado do mundo. Gay Masters, uma terapeuta de fala de Cincinnati, estava na linha. Ela tinha visto a foto de Oksana e de alguma forma sentia que a garotinha tinha que se tornar sua filha.

Oksana tinha cinco anos quando conheceu sua futura mãe pela primeira vez. Mas por causa da lei ucraniana, levou mais dois anos até que ela pudesse ser oficialmente adotada. Durante esse tempo, Oksana viveu com medo de que Gay jamais voltaria. Mas Gay não pretendia desistir e constantemente enviava à Oksana fotos de seu novo lar, cartas e cuidava da documentação necessária.

Não eram apenas as autoridades institucionais da Ucrânia que estavam impressionadas com a decisão de Gay. Todos que ele conhecia em Cincinnati se perguntavam por que ela não queria adotar uma criança “saudável”. Mas Gay estava segura. E sua teimosia salvou a vida de Oksana.

Oksana tinha quase oito anos quando finalmente viajou aos EUA, pesando míseros 35 kg. Quando criança, ela conseguia andar nas pontas dos pés, mas suas pernas estavam ficando mais fracas e não conseguiam mais carregá-la. Sua nova família tomou conta dela como pôde. Os médicos conseguiram remodelar suas mãos, mas recomendaram que suas pernas fossem amputadas para que ela pudesse viver uma vida normal com próteses. Com apenas nove anos, ela perdeu sua perna esquerda, e um ano depois, a direita.

A cirurgia arriscada correu bem e Oksana rapidamente se acostumou às suas novas pernas. Em pouco tempo, ela conseguia correr, andar de patins e de bicicleta. Então, ela descobriu aquela que se tornaria sua grande paixão: remo. Ela treinou duro e ficou tão boa que se qualificou para o Time Americano Paralímpico.

Com seu parceiro, Rob Jones, ela venceu a medalha de bronze nas Paralimpíadas de Londres de 2012. Enquanto isso, a ex-órfã tinha se tornado uma mulher jovem e bela. Pouco tempo depois dos jogos, uma revista de esportes até a convidou para fazer um ensaio nu. As fotos chamaram a atenção de todo o mundo.

Oksana não tinha nada a esconder: seu corpo era forte, lindo e ela era capaz de atingir qualquer coisa.

Apenas dois anos depois, aos 25 anos, ela ganharia medalhas de bronze e prata em esqui de fundo nas Paraolimpíadas de Inverno de Sochi. O universo esportivo não conseguia parar de falar na atleta talentosa, e sua história inspirou milhões ao redor do mundo.

Oksana nunca deixou seu começo doloroso derrotá-lo. Hoje, ela é considerada um herói nacional na Ucrânia. Em 2015, ela voltou ao país para visitar e encorajar soldados feridos. Ela também foi a um orfanato e passou um tempo com as crianças ali.

Se você seguir Oksana nas redes sociais, você jamais imagina que pesadelo ela deixou para trás. Quando Gay Masters deu uma segunda chance de vida à pequena órfã abandonada, abusada e deficiente, Oksana agarrou-a e nunca olhou para trás. Você pode ter certeza de que ela continuará a atingir coisas incríveis, e ela tem muito tempo pela frente!

Fonte: Não Acredito

Fotos: Facebook

Compartilhe a matéria:

É Notícia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *